segunda-feira, setembro 07, 2015

Há 50 anos o Palmeiras representava a Seleção Brasileira

Foto: Reprodução
O jogo aconteceu no ano de 1965 e marcou a inauguração do estádio Magalhães Pinto, o Mineirão, e, também, a única vez na história em que um estrangeiro comandou a Seleção Brasileira de Futebol.

Para consolidar a inauguração do Mineirão, a Seleção Uruguaia foi convidada para um amistoso comemorativo no dia 7 de setembro daquele ano. A partida terminou com uma bela vitória do Palmeiras-Brasil por 3 a 0 e ficou marcada na história do futebol pelo fato de que a Seleção Brasileira foi representada inteiramente pelos jogadores e pela comissão técnica do alviverde na época. Todos os atletas que vestiram a camisa canarinha defendiam o Palestra Itália. Do goleiro ao roupeiro, do ponta-esquerda ao massagista.

A história futebolística registra outro acontecimento: foi a única vez em que um ‘’hermano’’ comandou a seleção de nosso país até hoje. Na época, o clube paulista vivia a ‘’Primeira Academia’’ e era um dos melhores times do País ao lado do Santos F.C. de Pelé. Sob o comando de técnico argentino Filpo Nuñes, o Palmeiras tinha os verdadeiros ‘’donos da bola’’, como Ademir da Guia, Dudu, Djalma Dias, Djalma Santos, Julinho Botelho, Valdir de Moraes e Tupãzinho.

De modo geral, a partida foi bem disputada. A Seleção alviverde conseguiu se sobressair, principalmente, no segundo tempo da partida. Sob um gigantesco público de 80 mil pessoas, os gols foram marcados por: Rinaldo (pênalti), Tupãzinho e Germano.

Confira o vídeo que contém falas de Dudu e Valdir de Moraes sobre a importância de representar o País e o clube ao mesmo tempo:


FICHA TÉCNICA
BRASIL (PALMEIRAS) 3 x 0 URUGUAI
Estádio: Mineirão, em Belo Horizonte (MG)
Data: 7/9/1965
Árbitro da partida: Eunápio de Queiroz
Público/Renda: 80.000 / Renda: Cr$ 49.163.125,00 
Gols: Rinaldo 27’/1°T; Tupãzinho, 35’/1°T e Germano 29’/2°T.

BRASIL
Valdir de Moraes (Picasso), Djalma Dias, Djalma Santos, Valdemar Carabina (Procópio), Ferrari, Dudu (Zequinha) e Ademir da Guia, Julinho Botelho (Germano), Servílio, Tupãzinho (Ademar Pantera) e Rinaldo (Dario).
URUGUAI
Taibo (Fogni), Cincunegui (Brito), Manicera, Caetano, Nuñes (Lorda), Varela; Franco, Silva (Vingile), Salva, Dorksas e Espárrago (Morales).