domingo, maio 17, 2015

O lânguido Cruzeiro


     Quem acompanhou aos jogos do Cruzeiro no ano passado deve sentir saudade do futebol que era apresentado pela equipe de Belo Horizonte. O atual bicampeão do Campeonato Brasileiro está em uma tiriça danada e começa o campeonato na zona de rebaixamento.

     É inegável que o mercado da bola contribuiu para o declínio do time e disseminou o entrosamento da equipe titular. De fato, a diretoria do clube trouxe peças para tentar suprir as saídas do elenco principal, porém poucos detêm a mesma qualidade ou superam as expectativas futebolísticas de Marcelo Moreno, Éverton Ribeiro, Ricardo Goulart, entre outros. O único jogador que chegou ao clube, e que merece destaque é o jovem uruguaio Giorgian de Arrascaeta – Mostrou até então qualidade e personalidade. 

    Recentemente assisti quatro jogos do Cruzeiro contra três times da capital paulista. Corinthians, São Paulo e Santos, sendo dois jogos pela Copa Libertadores da América e outros dois pelo Campeonato Brasileiro e terminei com a mesma opinião: time fraco, sem poder de ataque e que não lembra nem vagamente o time do ano passado.

      Infelizmente quando um time está na pior, o grande protagonista da partida deixa de ser aquele cara que faz o gol, e passa para aquele que tenta evitar que sua equipe perca, e com o goleiro Fábio não fora diferente – Este cara é fera, salvou o clube mineiro nas últimas partidas, principalmente, no mata-mata da Libertadores que eliminou o tricolor nos pênaltis.

    No jogo contra o peixe realizado hoje, o goleirão contou com a ajuda do zagueiro Fabrício para tirar a bola em cima da linha do gol celeste, se não o prejuízo teria sido ainda maior.

   Após o término de todas as partidas mencionadas nos dois parágrafos acima, não consigo compreender como esse time tão desestimulante e lânguido consegue estar nas quartas de finais da Copa Libertadores da América 2015.